TÁXI X UBER: OS CIDADÃOS POR TRÁS DESSA RIXA

Por Guilherme Mendes, Juan Gouveia e Thaisa Gabriela

O serviço de transporte alternativo UBER, iniciado por meio de uma startup em 2009, surgiu com a proposta de revolucionar o deslocamento dentro de grandes centros urbanos e tornou-se a primeira empresa a facilitar o acesso a carros de serviço a partir do uso de equipamentos eletrônicos, tendo conquistado admiradores em 445 cidades ao redor do globo.

O UBER chegou à cidade trazendo inovações tecnológicas e um atendimento diferenciado. Seus serviços de transporte são solicitados através de um aplicativo disponível para smartphones. No entanto, embora tenha se tornado bastante popular, o UBER tornou-se, também, controverso por ser, segundo os taxistas, uma concorrência desleal aos motoristas de táxi devido à falta de regulamentação do Estado e ao não pagamento de impostos relacionados ao serviço. Nesse contexto, os taxistas têm se organizado em protestos, muitas vezes, violentos.

Em Recife, primeira capital do Nordeste a receber o UBER, os protestos começaram em meados de março, quando o serviço começou a operar na capital pernambucana, e têm como exigência principal uma maior fiscalização do aplicativo. Nesse período, ocorreram audiências públicas, que ainda não trouxeram nenhuma ação definitiva em relação a essa problemática, e, também, manifestações de violência, por parte dos motoristas de táxi, contra os consumidores e prestadores de serviço do UBER.

Para a maioria dos motoristas, o UBER surge como uma oportunidade flexível de trabalho nesse momento de crise econômica; e, por conta disso, as investidas violentas por parte dos taxistas tornam-se injustas. Afinal, eles estariam julgando e condenando os prestadores de serviço do UBER por estarem, assim como os motoristas de táxi, buscando um sustento. Além disso, os “Ubers”, como são chamados popularmente, acreditam que o argumento de que eles gastam menos que os taxistas para trabalhar é falho, uma vez que os motoristas de táxi não pagam IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores),ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).  ou IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

O recém-iniciado como colaborador do UBER Eduardo, de 45 anos, natural de São Paulo, enxergou no aplicativo uma oportunidade de voltar ao mercado de trabalho após 4 meses de procura e, assim, ter condições de pagar a pensão alimentícia do seu filho e outras “responsabilidades”. Segundo ele, o serviço se diferencia dos táxis devido ao preço mais acessível, à agilidade e a um atendimento diferenciado. Além disso, Eduardo se mostrou contrário às investidas dos taxistas. “É pura ignorância dos taxistas, o sol brilha pra todo mundo.” O motorista explicou, também, que, por ter pouco tempo no UBER, ainda não foi afetado por nenhuma manifestação violenta, mas ele e sua convivem com receio do que chamou de “exposição por estar na rua”.

Ao pedir uma corrida pelo aplicativo UBER, o motorista que estiver mais próximo do chamado se prontificará em atender. O trajeto é sempre muito rápido e o carro chega em poucos minutos ao local da chamada. Para os táxis existem alguns aplicativos que também facilitam esse processo, como o Easy Táxi e 99 Táxis, que apresenta ainda uma aceitação razoável pelos taxistas, oferecem a mesma rapidez comparado ao chamado do UBER. Resistindo à tecnologia ainda é possível encontrar pontos de táxis espalhados pela cidade. Foi na Rua José de Alencar, próxima ao Shopping Boa Vista, no bairro da Boa Vista, que conversamos com alguns taxistas.

O taxista que atua na cidade do Recife, José Orlando de 53 anos, há 22 no ofício, fala que optou pela profissão após ser demitido de uma empresa e com o dinheiro da indenização comprou seu carro, o qual deu um bom rendimento e o possibilitou sustentar sua família durante mais de duas décadas. Ele relatou como tem sido os dois últimos meses para ele e seus companheiros de profissão. Seu rendimento caiu consideravelmente, visto que a outra empresa possui facilidades em seu pagamento. “Os táxis não estão ganhando mais dinheiro com cartões”, diz. Ao ser questionado sobre o atendimento de qualidade aos clientes, ele afirma que é bastante preparado, conhece o Recife como ninguém e já fez curso de atendimento para qualificar seu serviço. Ele fala ainda que isso se constitui em um desrespeito com sua classe, mas que se a atividade da empresa concorrente for regulamentada, será possível viver em harmonia em relação a ela.

André Santana, 43 anos, herdou a sua profissão do seu pai. Sua família tem uma base de taxistas, seu irmão também exerce o ofício. Em 20 anos de profissão única, André, recentemente conquistou um novo emprego para ajudar na renda familiar. “Eu precisei sair dessa vida não dava mais sustentar minha família apenas com a renda do táxi, não estava dando muito certo, de fato, a procura diminuiu. Hoje, eu trabalho também como motorista do SAMU e ainda rodo no meu carro pela manhã, já meu irmão à noite, com o mesmo carro”, explica. É crescente o número de protestos realizados pelos taxistas desde a disponibilidade do novo serviço de transporte de passageiros no Recife. Santana concorda com a realização dos mesmos, e se mostra interessado em continuar com essa luta. “Recentemente eu falei com o presidente do Sindicato dos Taxistas sobre essa situação. Eu procuro estar por dentro do assunto. Tentamos falar até com o governador durante a abertura do Hospital da Mulher.”, fala taxista que pretende continuar lutando pela sua classe enquanto se divide com seu novo emprego.

Com pontos de vista diferentes de cada lado – entre taxistas e motoristas particulares do UBER – quem sai ganhando é o consumidor que agora tem mais opção para se deslocar pela cidade. Nas redes sociais a receptividade foi muito favorável ao novo serviço oferecido pelo UBER. Constantemente posts são publicados elogiando o novo serviço. Em entrevista rápida com usuários que já experimentaram as duas opções, o UBER se mostra como o de maior aceitação, pelo serviço ser mais barato, mas há usuários que preferem a segurança oferecida pelo táxi.

Anúncios

Um comentário sobre “TÁXI X UBER: OS CIDADÃOS POR TRÁS DESSA RIXA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s